domingo, 2 de maio de 2010

Amor e Compaixão

"Há alguma boas razões para os budistas usarem os termos "bondade" e "compaixão" em vez de um mais simples como "amor".
Amor, como palavra, está tão estritamente ligado ás respostas mentais, emocionais, e físicas associadas ao desejo que existe algum perigo em vincularmos este aspecto de abrir a mente ao reforço da ilusão essencialmente dualista de eu e o outro:"Eu gosto de ti" ou "Eu gosto daquilo." Há um sentido de dependência do objecto amado, e em ênfase no beneficio de amar e ser amado. É claro que há exemplos de amor, tais como as ligações entre um pai e um filho, que transcendem o beneficio pessoal para incluir desejo de beneficiar outrem. A maior parte dos pais concordaria provavelmente que o amor que sentem pelos seus filhos implica mais sacrificio do que gratidão pessoal.
No entanto, em termos globais, os termos "bondade" e "compaixão" funcionam como"sinais de paragem" linguisticos. Fazem-nos parar e pensar na nossa relação com os outros."
Yongey Mingyur Rinpoche
Para o bem de todos os seres
Enviar um comentário