segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Mahakala

Mahakala era a deidade tutelar pessoal do dirigente mongol Kublai Khan. Suas imagens aterradoras em última instancia, deriva da forma irada dos deuses hindus Shiva, conhecido como Bhairava. Na iconografía tibetana normalmente tem uma cabeça com tres olhos saltados. Suas sobrancelhas são como pequenas chamas, e a sua barba é em forma de ganchos. Ele pode ter de dois a seis braços. Mahakala se mostra aqui em sua forma de seis braços. Seus três olhos significam seu poder de compreender o passado, presente e futuro. As cinco caveiras de sua coroa representam os cinco venenos mentais que adormentam nossa existência mortal. São a ira, o desejo, a ignorância, a inveja e o orgulho. Seus seis braços seguram vários objetos simbólicos: A primeira mão direita tem uma faca curva. Na simbologia de Mahakala os cortes da faca curva cortam a vida através das veias dos inimigos quebradores de juramento e obstaculizam os espíritos perturbadores, o crânio utilizado como uma copa tem a função de fazer carne picada dos corações, intestinos, pulmões e veias dos inimigos hostis do Dharma, uma mão uma faca similar em forma de meia lua utilizada na cozinha oriental para cortar carne e verduras em forma de dados. Uma serpente enroscada ao redor do pescoço pode ser a serpente que participa do conteúdo da copa de crânio. Assim como o dorje (raio) habitualmente fica junto com o sino, também a faca curva e a copa de crânio se acompanham. O simbolismo dos dois pares pode ser o mesmo, dado que o instrumento que corta através do nevoeiro da ignorância, representa o método, o princípio masculino, enquanto que a copa simboliza a sabedoria, o princípio feminino. Em muitos sentidos, o instrumento que corta tem o mesmo propósito que o Dorje e a Purbha que se empregam nos rituais.A mão direita seguinte segura um damaru. Seu som significa o som primordial do qual se conta que se originou toda a sua existência manifestada. A mão direita de cima tem um rosário de crânios. A disposição contínua do rosário é um símbolo da atividade permanente, que Mahakala alcança numa escala cósmica. As outras duas mãos esquerdas tem um tridente e um laço respectivamente. O laço é para laçar os que se desviaram do caminho do Dharma, enquanto o tridente representa as Três Jóias do budismo: o Buda, o Dharma e a Sangha. A perna esquerda se estica e a direita se dobra enquanto pisoteia um elefante. O elefante aqui é um símbolo dos obstáculos e, portanto, Mahakala pisoteia todos os obstáculos no caminho do Dharma. Ele está de pé sobre um disco de sol que significa a iluminação que, por sua vez, descansa sobre um loto totalmente aberto que simbolizam a pureza imaculada.
Enviar um comentário