quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A propósito de meditação

Coloco uma nota sobre a meditação tendo em conta sempre que a prática é a melhor leitura.

Alegria de Viver – Parte 2; capitulo 9, encontrar o seu equilíbrio

“Gostaria de começar por uma história, que ouvi há muitos anos, de um homem que fora um nadador consumado na juventude e começou á procura, na velhice, de um desafio que fosse tão atraente como a natação fora nos primeiros anos de vida. Decidiu tornar-se monge, pensando que, tal como dominava as ondas do oceano, iria dominar ondas da sua mente. Encontrou um mestre que respeitava, fez os votos e começou a exercitar-se nas lições que seu mestre lhe dava. Tal como acontece com frequência, não era fácil meditar, por isso, foi procurar conselho junto do mestre. O mestre pediu-lhe que se sentasse e meditasse, para que pudesse observar a sua prática. Depois de o ter contemplado durante uns instantes, o mestre viu que o antigo nadador estava a esforçar-se demasiado e , por isso, disse ao homem que relaxasse. Mas o nadador teve dificuldade em seguir até mesmo aquela instrução simples. Quando tentava relaxar, a sua mente vagueava e o seu corpo afundava-se. Quando tentava concentrar-se, o seu corpo e a sua mente ficavam demasiado tensos. Finalmente, o mestre pergunto-lhe:”Sabes nadar, não sabes?” “Claro”, retorquiu o homem.”Melhor do que ninguém”. “A possibilidade de nadar provem de manteres os teus músculos completamente tensos”, inquiriu o mestre,”ou completamente soltos?” “Nem de uma coisa nem de outra”, respondeu o velho nadador. “Temos de encontrar um equilíbrio entre tensão e relaxamento.” “Bem”, continuou o mestre. “Então, deixa-me perguntar-te agora, quando estás a nadar, se os teus músculos estiverem demasiados tensos, és tu que estás a criar a tensão nos teus membros, ou é outra pessoa que te obriga a ficar tenso?” O homem pensou um pouco antes de responder. Finalmente, disse:”Ninguém exterior a mim me está a forçar a retesar os meus músculos.” O mestre esperou um pouco para que o velho nadador absorvesse a sua própria resposta. Em seguida, explicou,” Se descobrires que a tua mente está a ficar demasiado tensa na meditação, és tu próprio que estás a criar a tensão.Mas se libertares toda a tensão, a tua mente fica demasiado solta e entras em letargia. Como nadador, aprendeste a encontrar o equilíbrio muscular adequado entre tensão e relaxamento. “Na meditação, precisas de encontrar o mesmo equilíbrio na tua mente. Se não encontrares esse equilíbrio, nunca conseguirás obter o equilíbrio perfeito no seio da tua própria natureza. A partir do momento em que descobrires o equilíbrio perfeito no seio da tua própria natureza, conseguirás nadar através de qualquer aspecto da tua vida da amem forma que nadas através da agua.” Em termos muito simples, a abordagem mais eficaz da meditação é tentarmos o melhor que podemos sem nos concentrarmos demasiado nos resultados."

Yongey Mingyur Rinpoche

Para o bem de todos os seres
Enviar um comentário