sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Uma saudação

No gume do instante

Abrem-se de par em par as portas do coração

É sem razão a razão de tudo

Tudo em tudo

Entrudo até no mais ínfimo desejo

E o mar é só o mar

Mais tudo o que lhe vem agarrado

Mesmo se distante

Não está fechado

Quem tem mente de viajante

Enviar um comentário